segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Como tudo começou...

Dizem que seu Caminho começa a partir do momento em que você decide que irá fazê-lo. Sendo assim meu Caminho começou em março de 2006, quando comecei a pensar no assunto e a pesquisar informações sobre essa peregrinação.

A 1a dúvida foi: de bike ou a pé? Cheguei a hesitar por um bom tempo, amigos defendendo a ida de bike e amigos defendendo a ida a pé. Enquanto não me decidia comprei uma bota de trekking Snake ideal para longas caminhadas e que decidi que usaria numa viagem que eu estava prestes a fazer: Chapada Diamantina, na Bahia. Usar a bota pela 1a vez lá foi, ao mesmo tempo, a pior e a melhor coisa que eu fiz. Logicamente que usar uma bota zerada numa viagem onde se faz trilhas o dia todo não é uma boa idéia para os pés... Nem preciso dizer que tive algumas bolhas e alguns machucados que incomodaram bastante. Mas em compensação já no último dia o pé nem doía mais tanto e p/ finalizar o 'amaciamento' da bota, atravessei rio com água no meio da panturilha e logo depois, um rapel na cachoeira. Ou seja, a bota tinha passado pelo teste de stress e tinha sido bem sucedida.

Bom, voltando ao Caminho... O ano de 2006 passou e acabou que não fiz a viagem. Um amigo meu fez o Caminho (a pé) no final de 2006 e quando ele voltou conversamos bastante sobre o assunto. Vi suas fotos e escutei as histórias - e por algum motivo que não sei explicar, a idéia de fazer o Caminho parecia cada vez mais distante...

2007 já estava na metade quando fui fazer um curso de espanhol por 1 mês em Barcelona. E lá, de repente e não mais que de repente, o desejo de fazer o Caminho voltou com toda a força. Talvez eu tenha me empolgado quando entrei na Decathlon e vi todos os gadgets possíveis e imagináveis pra esse tipo de viagem e a preços totalmente acessíveis! Meu espírito consumista, que até então estava adormecido mesmo na época das 'rebajas', ressurgiu. Comprei vários apetrechos lá mesmo: toalha super absorvente e super leve, saco de dormir super leve e compacto, meias anti-bolhas, capa de chuva, camisetas dry-fit e por aí vai... E pra finalizar, passei numa livraria num domingo de sol e comprei um guia do Caminho, excelente. Super didático e com várias dicas: El Camino de Santiago a Pie, da editora El Pais Aguilar. Ah sim, e eu não tinha mais dúvidas que faria o Caminho a pé.

Bem, de volta ao Brasil e de volta à realidade: trabalho, estudos, estudos, trabalho, e os planos do Caminho mais uma vez ficaram de lado. Porém na virada de 2007 pra 2008 eu decidi que 2008 seria O ano de fazer o Caminho. E os preparativos começaram. Mas isso já é assunto pra outro post. :-))

¡Ultreya!

2 comentários:

Fernando disse...

Estou na torcida, menina!!!

Além de ajudar com os conselhos que pude dar (ouvidos ou não, como citado no seu texto), procurei ajudar com algum equipamento.

Se tudo começou com um Rapel em Cachoeira e isso foi Teste de Stress para o equipamento. Que tal nosso pernoite na pedra do Sino como Teste de Stress para o físico, o fôlego...

Dia 30 está chegando...

Como dito no inicio, estou na torcida!!!

Syl disse...

Já tô com meda dessa trilha do Sino, kkkkkk!

bj!